top of page

II Parte: SÍNDROME DO NINHO VAZIO SEGUNDO A PSICANÁLISE


O estágio do ninho vazio do domicílio é caracterizado de várias formas, mas geralmente é usado para se referir à fase pós-paternidade (Barber, 1989). É definido como a fase da vida em que as crianças crescem, mas não vivem mais em casa. Embora tanto homens quanto mulheres experimentam emocionalmente essa transição, é considerada exclusivamente estressante para as mulheres, uma vez que implica a perda dos principais componentes do papel materno, um papel que tem sido tradicionalmente um foco central da vida e das identidades de muitas mulheres (Harkins 1978). Quando o ninho vazio surge, a coesão familiar desaparece, pelo menos em teoria. Nesta situação, novos problemas psicológicos podem surgir porque as relações emocionais são alteradas. Dependência de crianças em pais e pais em crianças diminui-se.

De acordo com Ryff (1993), o bem-estar psicológico faz referência às características essenciais das avaliações positivas de si mesmo e da própria vida, uma sensação de crescimento e desenvolvimento contínuos como pessoa e a crença de que a vida é proposital e significativa. Também o bem-estar inclui a posse de relações de qualidade com os outros e a capacidade de gerenciar efetivamente a própria vida na palavra circundante, incluindo um senso de autodeterminação (Ryff, 1993). O estágio de vida do ninho vazio representa uma mudança importante. Como os indivíduos reagem às mudanças e problema da vida é um dos fatores que afetam diretamente a saúde de uma pessoa (Lotf 1999: 248). Assim, salvaguardar o bem-estar psicológico da mãe após a separação dos filhos é essencial não apenas para as mães, mas também para a integridade familiar.

O bem-estar mental é baseado na satisfação e felicidade da vida, que é uma parte importante da saúde mental. Diener (1984), um estudioso que pesquisa o bem-estar mental, acredita que o bem-estar mental consiste em duas dimensões: julgamentos sobre satisfação com a vida e equilíbrio afetivo ou até que ponto o afeto positivo supera o nível de afeto negativo em alguém vida. A satisfação com a vida é baseada nas avaliações cognitivas subjetivas de um indivíduo.

Nas temporadas da teoria da mudança, o objetivo é permitir que a mãe se auto floresça. Na teoria do bem-estar psicológico, a mãe deve encontrar contentamento para a vida. Auto florescimento leva a satisfação com a vida e felicidade.

A identidade individual, uma identidade que separa uma das outras e reforça a independência, está no comando das características da personalidade. Quando a identidade de uma mulher está concentrada em seu papel materno, e esse papel passa, sua identidade certamente pode ser prejudicada.

O'Connell (1976) discute a identidade da mulher. O'Connell propõe dois tipos de identidade para as mulheres. Um senso pessoal de identidade ocorre quando ela está consciente de seus próprios talentos, capacidades e necessidades e tem a capacidade de se ver como uma entidade separada, para funcionar de forma autônoma e tem uma identidade refletida que enfatiza os outros significativos em sua vida. Aqui, a autoestima e os sentimentos de autoestima da mulher derivam de estarem associados a outros significativos. A pesquisa de O'Connell descobriu que o sentido da identidade pessoal se torna uma questão crucial depois que seu papel de esposa e mãe foi cumprido (O'Connell, 1976: 675). A dependência de identidade dos outros causa efeitos negativos na autodeterminação.


Psi, Alessander Capalbo

Membro da Sociedade Psicanalítica do Brasil

Psicanalista Clínico e Docente



REFERENCIAS



BARBER CE. Transition to the empty nest. In: Bahr SJ, Peterson ET. Aging and the Family. 1989:15-32. Barnett EA. La edad critica: the positive experience of menopause in a small peruvian town. Women and Health: Cross Cultural Perspectives. Westpost: Bergin & Garvey. 1988:40-54.


BARBER, Brad M., and Terrance Odean. 1999. “Boys Will Be Boys: Gender, Overconfidence, and Common Stock Investment.” Working paper. University of California at Davis.


BAUMGART, J. A. R.; SANTOS, D. L. Síndrome do Ninho vazio: possíveis considerações. DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família. Porto Alegre. v. 13, n.1, p. 93 – 101, 2009. Disponível em: https://psicologia.faccat.br/moodle/pluginfile.php/197/course/section/101/camilas.pdf Acesso em: 17 Set .2018.


Bee H. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.


Briggs DC. A auto-estima do seu filho. São Paulo: Martins Fontes; 2000.


FARIA, J. B.; SEIDL, E. M. F. Religiosidade e enfrentamento em contexto de saúde e doença: revisão da literatura. Psicologia: reflexão e crítica. 18(3), p. 381-389, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a12v18n3.pdf Acesso em: 17 Set .2018.


Kaplan HI, Sadock BJ, Greb JA. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Porto Alegre: Artmed; 1997.


Liu LJ, Guo Q. Loneliness and health-related quality of life for the empty nest elderly in rural area of a mountainous county in China. Qual Life Res. 2007;16:1275-80.


McCullough PG, Rutenberg SK. Lançando os filhos e seguindo e frente. In: Carter B, McGoldrick M. As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995. Harkins EB. Effects of empty nest transition on self-report of psychological and physical well-being. J Marriage Fam. 1978:549-56. Cooper KL, Gutmann DL. Gender identity and ego mastery style in middle-aged, pre-and post-empty nest women. The Gerontological Society of America. 1987;27(3):347-52


SARTORI, A. C. R.; ZILBERMAN, M.L. Revisando o conceito de ninho vazio. Rev Psiq Clín. 36(3): 112-21 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01016083200900-0300005. Acesso em: 17 Set 2018.


HARKINS, P.; CARTER, L.L.; TIMMINS, A.J. (Ed.) Best practices in knowledge management & organizational learning handbook. Lexington, MA: Linkage Press, 1978

Barber, Brad M., and Terrance Odean. 1999. “Boys Will Be Boys: Gender, Overconfidence, and Common Stock Investment.” Working paper. University of California at Davis.

Raup JL, Myers JE. The empty nest syndrome: myth or reality? J Counsel Dev. 1989;68:180-3.


Ryff, C. D., & Essex, M. J. (1993). The interpretation of life experience and well-being: the sample case of relocation. Psychology and Aging, 7(2),507-517.

Ramos M. Introdução à terapia familiar. São Paulo: Ática; 1990.

WEBBER, C.; DELVIN, D. Empty-nest syndrome. Set. 2010. Disponível em: http://www.netdoctor.co.uk/womenshealth/featores/ens.html. Acesso em: 17 Set 2018.



5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page