top of page

III Parte: APROFUNDAMENTO SOBRE ESTUDOS DO INCONSCIENTE NA SÍNDROME DO NINHO VAZIO


O inconsciente humano é algo bastante complexo e precisa ser estudada com muita profundidade no processo sistêmico de interpretação de suas ações ocultas. Referente a síndrome do ninho vazio, perpassa uma reestruturação organizacional no cérebro humano capaz de desenvolver diferentes critérios de análise sobre a personificação da mãe que se sente abandonada pelo seu filho. (COOPER, 1987)

O principal teórico da abordagem desse tema de TCC trata a respeito do funcionamento do cérebro humano capaz de compreender e interpretar diversos fatos que determinam a sua responsabilidade no meio ambiente em que ele vive. O inconsciente trás grandes horizontes para que seja investigada através de diversas circunstâncias a capacidade que o ser humano possui no apego por outra pessoa.

Nesse sentido, a síndrome do ninho vazio funciona através de uma estrutura organizacional capaz de desenvolver um processo sistêmico do inconsciente em ser trabalhado no decorrer do processo capacidade da interpretação humana sobre o seu mecanismo de desapego ao seu progenitor.

Mediante essa perspectiva, o inconsciente humano trabalha de forma sistemática a fim de trazer uma configuração capacitada sobre o processo de interpretação que desenrola o fenômeno da síndrome do ninho vazio.

É necessário fazer uma organização estrutural do inconsciente da mãe para que ela seja captada a uma projeção do futuro que ela espera acontecer, no entanto transformar todas essas ações em algo extremamente sofredor no processo de viabilidade e transformação da síndrome do ninho vazio. (RAMOS, 1990)

Essas características são trabalhadas de forma multidisciplinar e transforma as realizações pendentes que ficam acopladas no cérebro capaz de repreender a segurança que a mãe possui a respeito do desapego ao seu filho no momento em que ele transfere todas suas atenções à uma outra família.

O modo pelo qual a pessoa se percebe pelo seu progenitor é um processo de sistematização de seu inconsciente, trabalhando de modo enfático no desenvolvimento relações interpessoais junto ao seu filho dentro do funcionamento da síndrome do ninho vazio.

Nessa contextualização é preciso trabalhar a capacidade do inconsciente de perceber as ações mobilizadoras e corresponde a formalização da síndrome do ninho vazio.


Psi, Alessander Capalbo

Membro da Sociedade Psicanalítica do Brasil

Psicanalista Clínico e Docente



REFERENCIAS



BARBER CE. Transition to the empty nest. In: Bahr SJ, Peterson ET. Aging and the Family. 1989:15-32. Barnett EA. La edad critica: the positive experience of menopause in a small peruvian town. Women and Health: Cross Cultural Perspectives. Westpost: Bergin & Garvey. 1988:40-54.


BARBER, Brad M., and Terrance Odean. 1999. “Boys Will Be Boys: Gender, Overconfidence, and Common Stock Investment.” Working paper. University of California at Davis.


BAUMGART, J. A. R.; SANTOS, D. L. Síndrome do Ninho vazio: possíveis considerações. DOMUS – Centro de Terapia de Casal e Família. Porto Alegre. v. 13, n.1, p. 93 – 101, 2009. Disponível em: https://psicologia.faccat.br/moodle/pluginfile.php/197/course/section/101/camilas.pdf Acesso em: 17 Set .2018.


Bee H. O ciclo vital. Porto Alegre: Artes Médicas; 1997.


Briggs DC. A auto-estima do seu filho. São Paulo: Martins Fontes; 2000.



FARIA, J. B.; SEIDL, E. M. F. Religiosidade e enfrentamento em contexto de saúde e doença: revisão da literatura. Psicologia: reflexão e crítica. 18(3), p. 381-389, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/prc/v18n3/a12v18n3.pdf Acesso em: 17 Set .2018.


Kaplan HI, Sadock BJ, Greb JA. Compêndio de psiquiatria: ciências do comportamento e psiquiatria clínica. Porto Alegre: Artmed; 1997.


Liu LJ, Guo Q. Loneliness and health-related quality of life for the empty nest elderly in rural area of a mountainous county in China. Qual Life Res. 2007;16:1275-80.


McCullough PG, Rutenberg SK. Lançando os filhos e seguindo e frente. In: Carter B, McGoldrick M. As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre: Artes Médicas; 1995. Harkins EB. Effects of empty nest transition on self-report of psychological and physical well-being. J Marriage Fam. 1978:549-56. Cooper KL, Gutmann DL. Gender identity and ego mastery style in middle-aged, pre-and post-empty nest women. The Gerontological Society of America. 1987;27(3):347-52


SARTORI, A. C. R.; ZILBERMAN, M.L. Revisando o conceito de ninho vazio. Rev Psiq Clín. 36(3): 112-21 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S01016083200900-0300005. Acesso em: 17 Set 2018.


HARKINS, P.; CARTER, L.L.; TIMMINS, A.J. (Ed.) Best practices in knowledge management & organizational learning handbook. Lexington, MA: Linkage Press, 1978

Barber, Brad M., and Terrance Odean. 1999. “Boys Will Be Boys: Gender, Overconfidence, and Common Stock Investment.” Working paper. University of California at Davis.

Raup JL, Myers JE. The empty nest syndrome: myth or reality? J Counsel Dev. 1989;68:180-3.


Ryff, C. D., & Essex, M. J. (1993). The interpretation of life experience and well-being: the sample case of relocation. Psychology and Aging, 7(2),507-517.

Ramos M. Introdução à terapia familiar. São Paulo: Ática; 1990.

WEBBER, C.; DELVIN, D. Empty-nest syndrome. Set. 2010. Disponível em: http://www.netdoctor.co.uk/womenshealth/featores/ens.html. Acesso em: 17 Set 2018.


0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page